Siga-nos!

Sociedade

YouTube censura vídeo de homem que se arrependeu de viver como mulher

YouTube diz que vídeo infringiu sua política de ódio.

Michael Caceres

Publicado

em

Walt Heyer (Foto: Reprodução/YouTube)

O testemunho de um homem que se arrependeu por ter vivido como mulher foi censurado pelo YouTube. Walt Heyer prestou seu depoimento para a Heritage Foudation, uma organização que tem o objetivo de promover o pensamento conservador.

Ao entrar em contato com o YouTube, a organização foi informada que o conteúdo não poderia permanecer na plataforma por infringir sua “política de discursos de ódio”. Eles informaram ainda que removem rapidamente vídeos que violam suas políticas.

“Nossa política de discursos de ódio proíbe vídeos que afirmam que a sexualidade ou identidade de gênero de alguém é uma doença ou uma doença mental. Removemos rapidamente vídeos que violam nossas políticas quando sinalizados por nossos usuários”, informou.

Segundo o “The Federalist“, o vídeo com duração de sete minutos seria reenviado para a plataforma em forma de protesto contra a censura ao pensamento conservador. O depoimento foi gravado durante a “Cúpula sobre Proteção de Crianças da Sexualização”.

“Eu disse que crianças que sofrem de disforia de gênero não devem ser encorajadas a experimentar hormônios experimentais em cirurgia, e eu mantenho essa afirmação”, enfatiza Heyer.

Heyer tentou viver como mulher por oito anos, sendo submetido a diversos tratamentos hormonais e cirurgias para tentar a mudança. “Eu desisti daquilo há mais de 25 anos. Aprendi a verdade: hormônios e cirurgia podem alterar as aparências, mas nada muda o fato imutável do seu sexo”, disse.

“Eu estou diante de você com um corpo mutilado, com uma vida que foi destruída de várias maneiras, redimida por Cristo com certeza, mas destruída porque fui afirmada e disse como sou bonita, como era maravilhosa. E foi até um terapeuta de gênero que disse: ‘Tudo o que você precisa fazer é fazer uma cirurgia de transferência de hormônios e’ ”, testemunhou.

Trending