Siga-nos!

Sociedade

Violência explode no Brasil após negro espancado até a morte na loja Carrefour

Publicado

em

Mais de 1.000 manifestantes atacaram um supermercado do Carrefour Brasil na cidade de Porto Alegre, no sul do Brasil, na sexta-feira, depois que seguranças espancaram até a morte um negro na loja.

Violência explode no Brasil após negro espancado até a morte na loja Carrefour
Foto: (reprodução/internet)

A morte de João

O assassinato, que gerou protestos em todo o Brasil, ocorreu na noite de quinta-feira, quando um funcionário de uma loja chamou a segurança depois que o homem ameaçou agredi-la, informou o canal de notícias a cabo GloboNews, citando a Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Sul.

Leia também: Brasil passa 6 milhões de casos, com 38.397 novos casos e 552 mortes de COVID

O site de notícias G1 informou posteriormente que uma análise inicial do instituto forense estadual indicou que a causa da morte poderia ser asfixia.

Em um comunicado na sexta-feira, a unidade local do Carrefour SA da França disse que lamenta profundamente o que chamou de morte brutal e disse que imediatamente tomou medidas para garantir que os responsáveis ​​fossem legalmente punidos.

Ele disse que rescindiria o contrato com a empresa de segurança, demitiria o funcionário responsável pela loja no momento do incidente e fecharia a loja em sinal de respeito.

Veja também: Líder hindu pede grife brasileira para retirar imagem de Lord Ganesh

Numa série de tweets em português na noite de sexta-feira, o presidente e CEO do Carrefour, Alexandre Bompard, disse que as imagens publicadas nas redes sociais eram “insuportáveis.

Violência explode no Brasil após negro espancado até a morte na loja Carrefour
Foto: (reprodução/internet)

“Medidas internas foram imediatamente implementadas pelo Carrefour Brasil, notadamente em relação à empresa de segurança envolvida. Essas medidas não vão longe o suficiente. Meus valores e os valores do Carrefour não permitem racismo e violência, disse Bompard.

Ele pediu uma revisão completa do treinamento de funcionários e subcontratados em valores de segurança, diversidade e tolerância.

Fique por dentro: Surto de coronavírus no Brasil acelera novamente conforme os casos se aproximam de 6 milhões

“Pedi às equipes do Carrefour Brasil que cooperem plenamente com as autoridades judiciais para chegar ao fundo desta ação odiosa”, acrescentou.

Em Porto Alegre, manifestantes na tarde de sexta-feira distribuíram adesivos com o logotipo do Carrefour manchado de sangue e pediram um boicote à rede. Eles ergueram uma faixa em português onde se lia “Vidas negras são importantes” e cartazes pedindo justiça para Beto, apelido para a vítima.

O protesto se tornou violento na noite de sexta-feira, quando os manifestantes quebraram janelas e veículos de entrega no estacionamento do supermercado. Uma testemunha da Reuters viu a polícia atirando gás lacrimogêneo contra os manifestantes.

Veja também: O Brasil não isentará de responsabilidade os fabricantes de vacinas COVID-19

Em São Paulo, dezenas de manifestantes quebraram as vitrines de uma loja do Carrefour com pedras, arrancaram as portas da frente e invadiram o prédio, derramando produtos nos corredores antes de se dispersarem.

No Rio de Janeiro, cerca de 200 manifestantes aos berros se reuniram em frente a outra loja do Carrefour.

Violência explode no Brasil após negro espancado até a morte na loja Carrefour
Foto: (reprodução/internet)

O dia 20 de novembro é homenageado em várias partes do Brasil como o Dia da Consciência Negra. Os brasileiros gostam de pensar em seu país como uma harmoniosa ‘democracia racial’ e o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro nega a presença de racismo.

Mas a influência da escravidão, abolida em 1888, ainda é evidente.

Leia também: Brasil registra 194 mortes de COVID-19 no domingo

Os negros brasileiros têm quase três vezes mais chances de serem vítimas de homicídio, de acordo com dados do governo de 2019.

“A cultura do ódio e do racismo precisa ser combatida na sua fonte e todo o peso da lei deve ser usado para punir aqueles que promovem o ódio e o racismo”, escreveu Rodrigo Maia, o presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, em um tweet.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters