Siga-nos!

Sociedade

Samba-enredo da Mangueira fala em Jesus com “rosto negro, sangue índio e corpo de mulher”

Visão teológica distorcida tenta aplicar ensinos socialistas de Karl Marx.

Michael Caceres

Publicado

em

Desfile da estação primeira de Mangueira, campeã do carnaval do Rio de Janeiro. (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

A escola de samba Estação Primeira de Mangueira, do Rio de Janeiro, anunciou que levará ao Carnaval 2020 o tema “Teologia da Libertação”.

Com o propósito de aplicar a visão de Karl Marx, a “Teologia da Libertação” busca desconstruir as doutrinas cristãs.

Na visão desta vertente falsa de ensino, Cristo não é um libertador espiritual, mas um revolucionário que incentivou o uso político da Igreja.

A letra do samba-enredo fala de Jesus Cristo com “rosto negro, sangue índio, corpo de mulher” e que luta contra a “opressão”.

Em provocação ao presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PSL), a letra também fala em “Messias de arma na mão”.

Confira a letra na íntegra:
Mangueira
Samba que o samba é uma reza
Se alguém por acaso despreza
Teme a força que ele tem
Mangueira
Vão te inventar mil pecados
Mas eu estou do seu lado
E do lado do samba também
Eu sou da Estação Primeira de Nazaré
Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher
Moleque pelintra do Buraco Quente
Meu nome é Jesus da Gente
Nasci de peito aberto, de punho cerrado
Meu pai carpinteiro desempregado
Minha mãe é Maria das Dores Brasil
Enxugo o suor de quem desce e sobe ladeira
Me encontro no amor que não encontra fronteira
Procura por mim nas fileiras contra a opressão
E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão
Eu tô que tô dependurado
Em cordéis e corcovados
Mas será que todo povo entendeu o meu recado?
Porque de novo cravejaram o meu corpo
Os profetas da intolerância
Sem saber que a esperança
Brilha mais que a escuridão
Favela, pega a visão
Não tem futuro sem partilha
Nem Messias de arma na mão
Favela, pega a visão
Eu faço fé na minha gente
Que é semente do seu chão
Do céu deu pra ouvir
O desabafo sincopado da cidade
Quarei tambor, da cruz fiz esplendor
E num domingo verde-e-rosa
Ressurgi pro cordão da liberdade

Assista:

Trending