Siga-nos!

Mundo

Vacina russa pode ser totalmente produzida no Brasil até abril

Publicado

em

Uma empresa brasileira começou a testar a produção do princípio ativo da vacina russa contra o coronavírus Sputnik V e planeja chegar à produção total em abril, o que tornaria a primeira injeção de que o Brasil não dependeria de importação.

Vacina russa pode ser totalmente produzida no Brasil até abril

Foto: (reprodução/internet)

Produção Sputnik V no Brasil

Leia também: O Brasil não tem prazo para saber quando as vacinas contra o coronavírus chegarão da Índia e da China

“Esta semana começamos a fazer um lote piloto do ingrediente ativo para fins de aprendizagem, não para uso”, disse Miguel Giudicissi, diretor de ciências da União Química, à Reuters.

A produção local total da vacina russa pode ser uma tábua de salvação para o Brasil, que está lutando para obter autorizações de exportação para suprimentos de vacinas presos na China e na Índia para combater o surto de COVID-19 mais mortal do mundo fora dos Estados Unidos.

Fique por dentro: Vale do Brasil vai alienar ativos de carvão em dificuldades em Moçambique

Os laboratórios do setor público do Brasil disseram que não farão ingredientes ativos para vacinas até a segunda metade do ano – agosto para a vacina AstraZeneca e final de setembro para a injeção feita pela chinesa Sinovac Biotech.

Giudicissi disse que o contrato da União Química com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), que comercializa o Sputnik V, prevê uma transferência de tecnologia a 100% e que já está em andamento. Células e clones de vírus chegaram para permitir a produção de vacinas no Brasil sem a necessidade de importação do princípio ativo.

“Isso dará ao Brasil autonomia no fornecimento da vacina COVID-19”, disse ele por videoconferência.

Veja também: Brasil registra 1.316 novas mortes por coronavírus na quinta-feira

Os executivos devem se reunir com a agência reguladora de saúde brasileira, Anvisa, ainda nesta quinta-feira, para fornecer informações adicionais que a agência solicitou antes de autorizar o uso emergencial do Sputnik V.

O presidente-executivo da RDIF disse em Moscou que a União Química está começando a preencher e terminar a vacina e aumentará a produção em fevereiro. Ele disse esperar que a aprovação regulatória no Brasil seja resolvida nas próximas semanas.

Os parceiros brasileiros fornecerão dados adicionais de ensaios clínicos de Fase III envolvendo 22.000 voluntários na Rússia do programa de 44.000 sujeitos que devem convencer a Anvisa de que o Sputnik V é seguro e tem uma eficácia de 90%, disse Giudicissi.

Fique por dentro: Amor na época do COVID-19? ‘Não, obrigado’ dizem os casais divorciados do Brasil

A RDIF tem 400 mil doses prontas para embarque para o Brasil assim que a Anvisa autorizar o uso emergencial, seguidas de 4,6 milhões de doses em fevereiro e 6 milhões em março para serem envasadas e finalizadas pela União Química em sua linha de produção em São Paulo, disse.

A empresa espera produzir 8 milhões de doses por mês assim que a produção estiver pronta e funcionando, disse o diretor de negócios internacionais Rogerio Rosso.

A empresa de saúde humana e animal, que tem nove fábricas no Brasil e uma nos Estados Unidos, pretende produzir o Sputnik V para o Brasil e países da América Latina, disse.

eia também; Brasil diz que receberá dois milhões de doses de AstraZeneca até sexta-feira da Índia

A União Química é um dos vários produtores estrangeiros com os quais a Rússia vai contar para cumprir seus negócios de exportação de vacinas em grande escala, que excedem a capacidade de produção da Rússia.

Doze países aprovaram o uso do Sputnik V, incluindo Paraguai, Bolívia, Venezuela e Argentina, onde as imunizações públicas começaram.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters