Siga-nos!

Sociedade

São Paulo receberá vacina chinesa Sinovac COVID-19

Publicado

em

ANÚNCIO

O estado de São Paulo deve começar a importar a primeira de 46 milhões de doses da vacina chinesa Sinovac contra COVID-19 nesta semana, enquanto o governo federal adota uma abordagem mais cautelosa com uma vacina desenvolvida pela Pfizer Inc.

São Paulo receberá vacina chinesa Sinovac COVID-19
Foto: (reprodução/internet)

Governo Federal

Autoridades federais de saúde se reuniram com representantes da Pfizer na terça-feira, enquanto o Brasil busca garantir o fornecimento de vacinas. 

ANÚNCIO

Leia também: Brasil relata 35.294 novos casos de coronavírus, 685 mortes

O Ministério da Saúde informou em nota que compraria a vacina Pfizer, atualmente em fase 3 de testes, caso fosse comprovada como segura e registrada na Anvisa.

Enquanto traça os planos de imunização, o ministério também se reunirá esta semana com a Johnson & Johnson, a indiana Bharat Biotech e os fabricantes da vacina russa Sputnik V.

ANÚNCIO

O Brasil tem o terceiro maior número de casos de coronavírus do mundo, levando muitas empresas farmacêuticas a fazer testes de suas vacinas no maior país da América do Sul.

Fique por dentro: Brasil vai comprar vacina Pfizer após conclusão de testes

São Paulo

As autoridades de saúde de São Paulo têm assumido uma postura mais agressiva do que suas contrapartes federais na garantia do fornecimento de vacinas.

O diretor do centro biomédico do Instituto Butantan do estado de São Paulo, Dimas Covas, disse em audiência no Congresso na terça-feira que o Butantan espera ter 46 milhões de doses do Sinovac prontas em janeiro para serem usadas se aprovadas pela agência reguladora de saúde do Brasil, Anvisa.

Leia também: Petrobras abre processo de venda de cluster de petróleo legado de Marlim

O Butantan está organizando os testes de Fase 3 da vacina no Brasil, com Covas afirmando que os resultados preliminares indicam que ela tem um excelente perfil de segurança.

Covas disse que 10.000 voluntários já receberam cerca de 19.000 injeções da vacina de duas doses, e 2.000 outras pessoas ainda não foram incluídas nos testes.

A Anvisa suspendeu os testes por um dia e meio na semana passada após a morte de um voluntário, que a polícia relatou como suicídio e o Butantan disse não ter relação com a vacina.

Veja também: A maioria dos brasileiros dizem que as mudanças climáticas são ‘risco catastrófico’

A paralisação temporária não afetou os ensaios clínicos, disse Covas, acrescentando que o Butantan tinha um “entendimento muito bom” com a Anvisa.

O Butantan e a Anvisa enviaram especialistas para a China, onde estão em quarentena de duas semanas antes de visitarem as instalações de vacinas, disseram.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters

ANÚNCIO