Siga-nos!

Israel

Rabinos fazem boicote contra evangélicos em Jerusalém

Vigília de oração deveria unir, mas acabou dividindo

Avatar

Publicado

em

Uma declaração de dois importantes rabinos de Israel gerou atrito entre cristãos e judeus. Uma vigília de oração judaico-cristã estava programada para ocorrer perto do Monte do Templo.

A Embaixada Cristã Internacional, que promove a vigília, afirma que ela ocorreria como parte de uma série de eventos ao longo de uma semana em homenagem à Festa dos Tabernáculos (Sucote). O objetivo seria “buscar o Senhor em oração por nossas famílias, igrejas e nações, bem como em favor de Israel e de todo o Oriente Médio”. O evento ocorrerá no início de outubro, quando a Embaixada Cristã realiza a sua celebração anual do festival com ênfase no significado profético.

O Conselho de Cristãos e Judeus, grupo que promove o diálogo ecumênico, emitiu um parecer onde, embora reconheça que seja bom para os cristãos e judeus experimentarem mutuamente as tradições de adoração, cultos em conjunto não seriam possíveis.

O rabino-chefe do ramo asquenazi David Lau e o rabino-chefe dos sefarditas Yitzhak Yosef conclamara os judeus ortodoxos de Israel para que não aceitassem o convite de participar. Eles temem que o evento tenha um conteúdo muito “messiânico” e suspeitam que o objetivo seja meramente proselitismo.

Em um documento conjunto, declararam: “Casa de Israel, não se junte a esta assembleia, cujo objetivo é evitar a verdadeira redenção de Israel. De acordo com a nossa sagrada Torá, devemos nos manter longe deste evento, sendo proibido se juntar a eles de qualquer forma”. Insistiram ainda que as autoridades da cidade de Jerusalém revoguem a autorização para o evento.

Outros rabinos proeminentes da Cidade Velha, também são citados em cartazes que foram colados por toda a Jerusalém, denunciado a vigília como um “engano”.

O rabino Dr. Jonathan Romain, um dos maiores especialistas em relações entre cristãos e judeus, declarou ao Christian Today: “Não há nada errado quando líderes religiosos dizem a seus seguidores que é melhor não participar de um evento em particular. Porém, é um equívoco essa tentativa de proibir as cerimônias de outros grupos religiosos. A liberdade religiosa significa permitir que as pessoas adorarem a Deus da maneira como bem entendem e deixem que Deus decida se irá ouvir essas suas orações ou não”.

O encontro de judeus e cristãos se daria perto da parede sul do Muro das Lamentações, na região do Monte do Templo. Esse é o local mais sagrado do judaísmo. Acredita-se que seja por ali que ficava o “Santo dos Santos”, onde repousava a arca que simbolizava a presença de Deus.

Trending