Siga-nos!

Sociedade

OAB entrega 900 bíblias para detentas em Fortaleza

Os exemplares foram doados pela Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias

Publicado

em

Novecentos exemplares da Bíblia foram distribuídos para as detentas do presídio Auri Moura Costa, em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza (CE) pela Coordenadoria de Liberdade Religiosa da Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Ceará.

A entrega dos livros sagrados aconteceu na manhã da última quarta-feira (9) e contou com a participação do presidente da OAB-CE, Valdetário Andrade Monteiro, e também do secretário da Justiça, Hélio Leitão.

O advogado Robson Sabino explicou que ação serve para renovar a esperança de cada detenta. “Estamos dando o pão espiritual. A época do Natal é uma oportunidade que as pessoas têm de repensar suas vidas. A OAB Ceará, por meio de parcerias, conseguiu essas Bíblias e a expectativa é que as detentas tenham a oportunidade de renovar a esperança, bem como o desejo de mudar e retornar para a sociedade como cidadãs”, disse ele que é coordenador dos Estudos de Liberdade Religiosa.

As Bíblias foram doadas pela Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias e o presidente da denominação, Henrique Simplício, também comentou sobre a ação destacando a importância de levar a verdade mensagem do Natal.

“É dezembro, e é Natal, época em que com certeza nos lembramos do nosso Salvador, Jesus Cristo. Por isso, a igreja, por meio dessa parceria com a OAB-CE, sentiu que tinha de dar um presente às pessoas necessitadas e carentes, principalmente as que estão no presídio, privadas de suas liberdades. Não existe presente melhor que um livro, e o livro dos livros, que é a Bíblia, com certeza fará a diferença na vida de todas”.

O presidente da Ordem também entendeu a importância do ato. “A palavra de Deus é, sem sombra de dúvidas, algo que traz conforto e um novo norte. É louvável a iniciativa da Coordenação de Liberdade Religiosa da Ordem em trazer não só a Bíblia como livro físico, mas uma palavra de aproximação da sociedade com as detentas. A ressocialização só é possível com essa aproximação. Acredito que nós hoje cumprimos um importante papel”, afirmou Monteiro.