Siga-nos!

Sociedade

O Brasil tem dados de infecção suficientes para analisar a vacina COVID-19 da Sinovac

Publicado

em

O Brasil reuniu dados de infecção suficientes de um ensaio em estágio final de uma vacina experimental COVID-19 desenvolvida pela Sinovac Biotech da China e espera ter resultados provisórios sobre sua eficiência no início de dezembro, disseram os organizadores do ensaio na segunda-feira.

O Brasil tem dados de infecção suficientes para analisar a vacina COVID-19 da Sinovac
Foto: (reprodução/internet)

Os dados finais

Dimas Covas, diretor do instituto de pesquisa biomédica Butantan que está conduzindo o último estágio do teste da vacina Sinovac no Brasil, disse que agora tem 74 casos confirmados entre os participantes do teste, acima do marco inicial de 61 estabelecido para análise de eficiência provisória.

Veja também: Brasil registra 302 mortes de COVID-19, número total de 169.485

Ele disse que um comitê independente deve divulgar os resultados de eficiência na primeira semana de dezembro com base na análise dos dados.

A notícia chega no momento em que a britânica AstraZeneca Plc se junta na segunda-feira às suas rivais americanas Pfizer, Moderna e Rússia para anunciar resultados positivos em testes essenciais, aumentando as esperanças de que o mundo logo terá vacinas bem-sucedidas para acabar com a pandemia.

Covas disse que o ministério da saúde do Brasil agora tem todas as informações necessárias para incluir o Coronavac no programa nacional, enquanto o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, esperava na segunda-feira que o órgão regulador do Brasil aprovasse o uso da vacina Sinovac, CoronaVac, até janeiro.

Leia também: Brasil vai iniciar a produção da vacina AstraZeneca até janeiro, diz centro biomédico

João Gabbardo, chefe do comitê de contingência COVID-19 de São Paulo, disse no mesmo evento que espera que o regulador de saúde da China aprove o CoronaVac da Sinovac em dezembro, o que pode acelerar a aprovação no Brasil.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters