Siga-nos!

Opinião

Nelson Teich expõe a militância travestida de jornalismo da Rede Globo

Ex-ministro da Saúde mostrou lucidez, equilibro e firmeza.

Maycson Rodrigues

Publicado

em

Nelson Teich (Reprodução / Globo News)

Quem faz a pergunta que quer, ouve a resposta que não quer. Uma coisa é você fazer perguntas inerentes ao assunto mais importante, outra é você tentar extrair mais uma manchete tendenciosa contra o governo que tem buscado boicotar sua empresa de forma estratégica e inteligente.

Os jornalistas globais tentaram de tudo para fazer o ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, declarar que o presidente tem tomado atitudes irresponsáveis ou mesmo criminosas.

Eles tentaram fazê-lo cair no jogo sujo da polarização em meio à pandemia, tanto na questão da cloroquina quanto na questão do isolamento, o que dá mais pauta para que continuem lucrando com reportagens e matérias sensacionalistas e que, muitas vezes, desinformam mais do que tranquilizam o povo que já está apreensivo e ansioso com tudo o que está acontecendo.

Os intentos políticos dos profissionais de imprensa estão cada vez mais escancarados na programação global, seja na TV aberta ou fechada.

A intenção é responsabilizar unicamente o presidente da República nas quase 23 mil mortes por covid-19 no país, como se Bolsonaro fosse o único político que age equivocadamente no combate ao vírus, em consonância com o combate à fome e ao desemprego que crescem absurdamente a cada dia que passa.

O ex-ministro da Saúde simplesmente “tratorizou” os militantes que se travestem de jornalistas ao reprovar cada investida deles no sentido de tentar polarizar o debate, quando buscavam o tempo inteiro “forçar a barra” para que o mesmo desse alguma declaração política que fosse contra a pessoa do presidente ou que negasse a sua dignidade para ocupar o cargo máximo da República, causando assim mais um impacto negativo no Governo.

Teich mostrou lucidez, equilibro e firmeza, provando assim que inclusive foi uma grande perda para o Governo neste momento tão grave. Defendeu um isolamento mais seletivo, que não é nem o vertical nem o horizontal, pois, segundo ele, ambos falham na identificação dos infectados e no objetivo final que é a contenção da curva de contágio da doença.

É importante ressaltar ao leitor que neste momento de pandemia é muito importante filtrar bastante as informações que recebe.

Não há definitivamente um estudo que comprove efetivamente que tanto o isolamento vertical quanto o “lockdown” são a solução imediata e última para o problema do alto contágio do coronavírus, e que o mais importante é o aumento e o direcionamento do índice de testagem e isolamento apenas dos infectados e aqueles que estão no seu entorno.

Parabéns ao ex-ministro pela bela entrevista e que o senhor possa continuar contribuindo de alguma forma com o país neste momento tão grave e que carece da atuação dos que realmente querem mais salvar vidas do que fazer aumentar a crise institucional do Governo ou mesmo a polarização política na sociedade.

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes da Betânia Igreja Batista (Sulacap - RJ), na juventude da PIB de Vilar Carioca e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

Trending