Siga-nos!

Sociedade

“Não aceitamos a proibição ideológica de sermos viris”, diz pastor Anderson Silva

Pastor participou do programa “Vai dar o que falar”, da Band.

Michael Caceres

Publicado

em

Anderson Silva e Rafael Serradura (Foto: Reprodução/Facebook)

O pastor Anderson Silva, líder do projeto Machonaria, participou do programa “Vai dar o que falar”, da Band, apresentado por Ana Paula Padrão. A atração debateu o tema “Masculinidade Tóxica”.

Além do pastor, participaram do debate Eddie Castro (do Manual do Homem Moderno), Ismael dos Anjos (do “O Silêncio dos Homens”), Ricardo Silvestre (do “MEMOH”), a antropóloga Isabela Venturoza e Rafael Serradura (da Machonaria).

Os participantes falaram sobre os papéis sociais, apontando a chamada “masculinidade tóxica” como “comportamento masculino tóxico”, mas que difere do machismo por não ser, segundo eles, espontâneo.

Para o pastor Anderson, há dois extremos do problema, sendo o que vem sendo discutido como masculinidade tóxica e o que ele aponta como sendo o “homem omisso”.

“Você tem dois espectros: você tem o machista clássico e você tem o cara totalmente impotente na sua produção, seja ela pessoal, familiar, moral, sociológica, e o que a gente está discutindo para construir é a coluna do meio, então nem um extremo, nem outro extremo”, disse.

Quando questionado se a Machonaria se reúne para discutir papéis sociais, o pastor Anderson respondeu com um outro questionamento: “E se fizer sentido para alguns o ser provedor, o ser dominante?”.

“Ninguém vai englobar todo mundo. Por exemplo, eu vou defender o resgate da masculinidade clássica: homem pode ser homem, homem pode ser viril, homem pode ser provedor, homem pode ser protetor”, explicou.

O pastor também destacou que a mulher não quer alguém desconstruído, que não sabe como é ser homem. Ele diz que o objetivo é resgatar valores da masculinidade.

Ele explicou também que o objetivo não é construir masculinidade para perpetuar a violência, mas para confrontar a violência.

Masculinidade Tóxica #VaiDarOQueFalar, com Ana Paula Padrão

72% dos homens brasileiros afirmam que foram ensinados a não demonstrar fragilidades. Mais da metade deles já foi chamado de ‘gay' por ter expressado algum sentimento. E acima de tudo, foram criados para ser o provedor do lar. Expectativas sociais como essas estão contribuindo para maiores taxas de suicídio, homicídio, vícios e acidentes de trânsito entre os homens, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde.Será que a figura do homem precisa ser desconstruída e repensada? Esse é o debate que Ana Paula Padrão trouxe para o #VaiDarOQueFalar, com participação de Eddie Castro (Manual do Homem Moderno), Ismael dos Anjos (O Silêncio dos Homens), Ricardo Silvestre (MEMOH), a antropóloga Isabela Venturoza, Pastor Anderson Silva e Rafael Serradura (Machonaria).

Posted by Band Jornalismo on Wednesday, February 26, 2020

Trending