Siga-nos!

Mundo

Macron declara segunda quarentena nacional na França

Publicado

em

ANÚNCIO

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou um segundo bloqueio nacional até pelo menos o final de novembro.

Macron disse que, de acordo com as novas medidas, a partir de sexta-feira, as pessoas só poderão sair de casa para trabalho essencial ou por motivos médicos.

ANÚNCIO

Negócios não essenciais, como restaurantes e bares, serão fechados, mas escolas e fábricas permanecerão abertas.

Macron declara segunda quarentena nacional na França
Foto: (reprodução/internet)

Fique por dentro: O Bolsonaro diz que a saída da crise do coronavírus é a cura, e não a vacina

As mortes diárias de Covid na França estão no nível mais alto desde abril. Na terça-feira, 33 mil novos casos foram confirmados.

ANÚNCIO

Macron disse que o país corre o risco de ser “dominado por uma segunda onda que, sem dúvida, será mais difícil do que a primeira”.

Enquanto isso, a Alemanha imporá um bloqueio de emergência que é menos severo, mas inclui o fechamento de restaurantes, academias e teatros, disse a chanceler Angela Merkel na quarta-feira.

As infecções estão aumentando drasticamente em toda a Europa, incluindo o Reino Unido, que na quarta-feira anunciou 310 novas mortes e 24.701 novos casos.

O toque de recolher noturno está em vigor em vários países, inclusive para 46 milhões de pessoas na França.

As notícias das novas restrições introduzidas nas maiores economias da Europa levaram a quedas acentuadas nos mercados financeiros na quarta-feira. 

Fique por dentro: Brasil vai estender implantação militar na floresta amazônica em cinco meses

O FTSE 100 do Reino Unido terminou quase 2,6% menor, e o Dax da Alemanha caiu 4,2%. Os principais índices dos EUA também despencaram 3,4% ou mais.

Quais são as novidades da França?

Em um discurso televisionado na quarta-feira, o Sr. Macron disse que a França deve agoraaplicar brutalmente os freios” para evitar ser “submersa pela aceleração da epidemia“.

“O vírus está circulando a uma velocidade que nem mesmo as previsões mais pessimistas haviam previsto”, disse ele, acrescentando que metade de todos os leitos de terapia intensiva em hospitais franceses estavam sendo ocupados por pacientes de Covid.

O presidente disse que, pelas novas regras, as pessoas teriam de preencher um formulário para justificar a saída de suas casas, conforme exigido no bloqueio inicial em março. Encontros sociais são proibidos.

Como na primavera, você poderá sair de casa apenas para trabalhar, para uma consulta médica, para prestar assistência a um parente, para comprar bens essenciais ou para dar um passeio perto de sua casa”, disse Macron.

Leia também: Varejista brasileira Havan, de propriedade do apoiador Bolsonaro

Mas ele deixou claro que os serviços públicos e as fábricas permaneceriam abertos, acrescentando que a economia “não deve parar ou entrar em colapso“.

Macron acrescentou que as visitas a lares de idosos – que foram proibidas durante o bloqueio de dois meses declarado em março – seriam permitidas sob as medidas mais recentes.

Os freios valerão até 1º de dezembro e serão reavaliados a cada duas semanas. 

O presidente disse manter “a esperança de que as famílias possam se reunir no Natal“.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News

Fonte: BBC

ANÚNCIO