Siga-nos!

Igreja Católica está preocupada com avanço evangélico na Amazônia

Pesquisa do Datafolha mostra que há mais evangélicos que católicos no Norte do Brasil

Avatar

Publicado

em

Assembleia de Deus no Norte. (Foto: Arquivo Pessoal / Folha de SP)

Em junho deste ano o Vaticano já demonstrava interesse em aumentar a presença da Igreja Católica na região Amazônica.

O documento emitido naquela época falava sobre a possibilidade de ordenar pessoas idosas, de preferência indígenas, respeitadas e reconhecidas por sua comunidade.

Para isso, a Santa Sé estaria disposta a ordenar homens casados como sacerdotes, algo que não é permitido aos padres.

O interesse do Sínodo da Amazônia, que começou dia 6 e durará até o dia 27 de outubro, é discutir como oferecer aos povos distantes da Amazônia o acesso à eucaristia, como explicou o Dom Mário Antônio da Silva, bispo de Roraima.

Uma pesquisa recente do Datafolha mostra que a região Norte do Brasil tem mais evangélicos que católicos. São 46% de evangélicos e 45% de católicos. A média de todo o país é de 51% da população se assumindo como católica e 32% como evangélica.

Ao longo de todo o encontro episcopal, serão discutidos assuntos de como a Igreja Católica pode se adaptar à realidade amazônica e também serão tratados assuntos comuns aos nove países que formam a região, tanto em questão pastoral, quanto ambiental.

Enquanto as igrejas evangélicas se expandiram na região, a Igreja Católica não conseguiu avançar. Com 27,3 mil padres no país, há poucos que atuam na região Amazônica e vem daí o desejo de usar lideranças locais para atrair a confiança das comunidades.

A antropóloga francesa Véronique Boyer, autora do livro “Expansão Evangélica e Migrações na Amazônia Brasileira”, analisou a situação e entendeu que esse cenário foi traçado pelos pequenos missionários que resolveram atuar na Amazônia.

“Se deve mais à ação de pequenos missionários autoproclamados —que, inicialmente, têm por objetivo fundar a sua igreja— do que a uma ação planejada de igrejas mandando missionários”, declarou ela à Folha de São Paulo.

A antropóloga lembra que os primeiros missionários estrangeiros já atuavam onde padres não iam.

“Não sei se a gente pode falar em uma certa arrogância da igreja, mas se parece um pouco com isto. É claro que padres e bispos estão agora muito preocupados”, declara a pesquisadora.

Trending