Siga-nos!

Mundo

Governador de São Paulo flutua usando vacina Sinovac sem aprovação da Anvisa

Publicado

em

São Paulo pode lançar uma vacina COVID-19 desenvolvida pela Sinovac da China sem a aprovação da Anvisa, disse o governador João Doria em entrevista na quinta-feira, pressionando Brasília a dar luz verde à vacina.

Governador de São Paulo flutua usando vacina Sinovac sem aprovação da Anvisa

Foto: (reprodução/internet)

Doria e suas declarações

Especialistas em saúde disseram que os comentários de Doria são uma ameaça vazia, já que nenhum medicamento ou vacina pode ser usado legalmente no Brasil sem a autorização da Anvisa, que se opôs aos comentários

Leia também: Brasil gera recorde de 394.989 empregos formais em outubro

Ainda assim, suas declarações revelam tensões crescentes sobre o lançamento da vacina no maior país da América Latina, com o segundo maior número de mortes de COVID-19 do mundo.

Os críticos do presidente Jair Bolsonaro argumentam que ele está ameaçando a independência da Anvisa com nomeações políticas para ganhar vantagem sobre governadores e outros rivais.

Em entrevista de vídeo no site de notícias Metropoles, Doria disse que São Paulo poderia usar a vacina da Sinovac Biotech Ltd com base na aprovação de órgãos reguladores de outros países.

Fique por dentro: Argentina e o mundo do futebol choram Maradona

“Hoje, há a suspeita de que a Anvisa possa sofrer interferência política da presidência e deixar de ser um órgão independente como deveria ser, como deve ser”, disse.

Ele acrescentou que o estado consideraria a vacina apropriada para uso se aprovada pelas autoridades “dos Estados Unidos, da Europa e, acima de tudo, da Ásia”.

Em nota, a Anvisa disse que isso era impossível.

Veja também: EUA considera a reabertura de fronteiras para viajantes do Brasil

“É importante esclarecer que a aprovação tácita de vacinas por outros órgãos … não está prevista na lei, disse o regulador. “Mesmo depois de aprovado em outro país, é necessária a aprovação da Anvisa.”

Doria, obstinado adversário do Bolsonaro, já ordenou a construção de instalações para a produção da vacina Sinovac, que atualmente passa por testes avançados em São Paulo e em outras partes do Brasil.

Bolsonaro, um crítico estridente da China, frequentemente rejeitou a vacina Sinovac, conhecida como Coronavac, dizendo que está preocupado com sua “origem”.

Leia também: Brasil relata 37.614 novos casos de coronavírus, 691 mortes na Quinta-feira

Até agora, a principal aposta do governo federal tem sido em uma vacina que está sendo desenvolvida pela AstraZeneca, embora as autoridades de saúde federais também tenham mantido discussões com outros desenvolvedores de vacinas, como Johnson & Johnson e Pfizer Ltd.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters