Siga-nos!

Mundo

Gol tenta novamente absorver o programa de fidelidade Smiles

Publicado

em

A companhia aérea brasileira Gol Linhas Aéreas Inteligentes apresentou na segunda-feira uma nova proposta para absorver seu programa de fidelidade Smiles Fidelidade, empresa de capital aberto que a operadora vem tentando trazer para dentro há anos.

Gol tenta novamente absorver o programa de fidelidade Smiles

Foto: (reprodução/internet)

Gol tenta absorver programa Smiles

Veja também: Bolsonaro recorre a aliados militares para definir política brasileira de vacinas contra o coronavírus

A Gol possui mais da metade da Smiles e controla seu conselho, mas enfrenta forte oposição de acionistas minoritários desde que propôs a fusão pela primeira vez em 2018.

Nos últimos anos, os concorrentes da Gol, como o grupo LATAM Airlines e Avianca Holdings, absorveram programas de fidelidade em suas companhias aéreas.

De acordo com a nova proposta de fusão, os acionistas da Smiles receberiam R $ 22,32 em dinheiro ou 0,825 ações preferenciais da Gol em troca de cada ação do Smile. Eles também podem optar por uma combinação de ambos.

Fique por dentro: Jovens festeiros brasileiros despertam medo da segunda onda do COVID-19

O negócio avaliaria a Smiles em cerca de 2,8 bilhões de reais, embora o valor destinado a investidores externos acabasse sendo apenas cerca de metade desse valor, dada a participação de 53% da Gol na empresa.

As ações da Smiles subiram mais de 4% com a notícia, para R $ 22,72, superando o preço proposto pela Gol.

Nos últimos anos, a Smiles se tornou uma fonte importante de liquidez para a Gol, uma companhia aérea que, mesmo antes da pandemia do coronavírus, registrava perdas recorrentes.

Leia também: Aumento de casos provoca luta por mais capacidade hospitalar

Ao absorvê-lo, a Gol não teria mais que dividir os dividendos da Smiles com investidores independentes, uma importante fonte de recursos para a companhia aérea enfrentar a crise do coronavírus.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters