Siga-nos!

Mundo

Fitch Ratings afirma sobre dívida do Brasil: perspectiva negativa

Publicado

em

ANÚNCIO

A agência de classificação de risco Fitch Ratings afirmou nesta quarta-feira a avaliação da dívida do Brasil e manteve a perspectiva negativa, citando a acentuada ampliação do déficit orçamentário do governo, endividamento elevado e incertezas quanto às perspectivas de consolidação fiscal.

Fitch Ratings afirma sobre dívida do Brasil: perspectiva negativa
Foto: (reprodução/internet)

Avaliação da dívida nacional

Embora observando que as grandes reservas de moeda estrangeira do Brasil, o mercado de dívida interna líquido e a taxa de câmbio flexível podem ajudar a absorver quaisquer choques, a Fitch disse que há incerteza em torno das regras fiscais do governo no próximo ano, a quantidade de dívida que deve rolar e “fluir”.

ANÚNCIO

Leia também: Pfizer oferece ao Brasil oferta de milhões de doses de vacinas

“A perspectiva negativa reflete a severa deterioração do déficit fiscal do Brasil e da carga da dívida pública durante 2020 e a incerteza persistente quanto às perspectivas de consolidação fiscal, incluindo a sustentabilidade do limite de gastos”, disse a Fitch.

“Além disso, os crescentes vencimentos da dívida interna de curto prazo em meio a um pesado fardo da dívida pública tornam o Brasil vulnerável a choques, incluindo mudanças na confiança do investidor doméstico e nas condições de financiamento”, acrescentou.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Brasil diminui infecções por COVID-19 e popularidade do Bolsonaro aumenta

A Fitch estima que o Tesouro brasileiro terá que rolar mais de 1,1 trilhão de reais (US $ 207 bilhões) no próximo ano, cerca de 15% do produto interno bruto projetado, grande parte disso nos primeiros quatro meses.

A Fitch espera que a maior economia da América Latina contraia 5,0% neste ano e se recupere 3,2% no ano que vem, graças à recuperação global, ao crescimento de seu principal parceiro comercial, a China, e a uma taxa de câmbio competitiva.

Vários riscos negativos podem dificultar a recuperação, no entanto, incluindo o fim das transferências emergenciais de renda, alto desemprego, uma segunda onda de COVID-19, endurecimento das medidas de distanciamento social e perda de confiança do mercado na trajetória de consolidação fiscal.

Veja também: Brasil relata 34.091 novos casos de coronavírus, 756 mortes

A Fitch espera que o peso da dívida do governo alcance quase 95% do PIB este ano, de 75,8% no ano passado, significativamente maior do que a mediana de 59,9% dos países com classificação BB, disse.

O déficit orçamentário nominal do governo brasileiro deve crescer para um recorde de 16,7% do PIB este ano, antes de cair para 7% no ano que vem, disse a Fitch.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters

ANÚNCIO