Siga-nos!

Política

Evangélicos criticam Bolsonaro por indicação de Kassio Nunes ao STF

Desembargador que deverá ser indicado pelo presidente foi nomeado por Dilma Rousseff.

Publicado

em

ANÚNCIO

O anúncio feito pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (1) que vai indicar o desembargador Kassio Nunes Marques, de 48 anos, para assumir a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) no lugar de Celso de Mello, causou indignação nos apoiadores, incluindo lideranças evangélicas.

Bolsonaro afirmou que a indicação será publicada no “Diário Oficial da União” na sexta, dia 2, mesmo após ter sido alertado sobre o histórico negativo do desembargador, que atualmente trabalha no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que tem sede em Brasília.

ANÚNCIO

“Sai publicado amanhã no Diário Oficial da União, por causa da pandemia nós temos pressa nisso, conversado com o Senado, o nome do Kassio Marques para a nossa primeira vaga no Supremo Tribunal Federal”, declarou o presidente durante transmissão em rede social.

Reação

Assim que confirmou sua indicação, o presidente passou a ser alvo de muitas críticas nas redes sociais, já que o desembargador foi nomeado por Dilma Rousseff para o tribunal, teria uma visão oposta a Lava Jato e seria o responsável por liberar lagosta para o Supremo.

O pastor Carlito Paes, líder da Igreja da Cidade de São José dos Campos, afirmou que Bolsonaro está “gastando os créditos” e ficando com “a conta negativa” diante da indicação de Kassio Nunes. Carlito lembrou que o presidente não recebeu “um cheque em branco”.

ANÚNCIO

Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), que desde o início do mandato de Bolsonaro vem manifestando apoio ao presidente, criticou a escolha do presidente. Ele avaliou que “só pode ser piada” o fato de “o 1º nomeado por Bolsonaro é um petista”.

Bolsonaro também foi criticado pelo pastor Danilo Figueira, líder da Comunidade Cristã de Ribeirão Preto, que apontou que o presidente deve lembrar que quem o elegeu não permanecerá dando apoio incondicional a ele. Ele afirmou que “o povo conservador vota por valores e não por ídolos”.

ANÚNCIO