Siga-nos!

Mundo

Estado processa unidade do Carrefour em US $ 38 milhões por agressão à morte de negro

Publicado

em

Um procurador do sul do Brasil está processando uma unidade do Carrefour SA, na França, pedindo 200 milhões de reais (US $ 37,6 milhões) em danos após seguranças espancarem um negro até a morte em uma de suas lojas.

Estado processa unidade do Carrefour em US $ 38 milhões por agressão à morte de negro
Foto: (reprodução/internet)

A agressão e morte

Na sexta-feira, um vídeo de grande circulação mostrava seguranças em uma loja do Carrefour Brasil em Porto Alegre espancando brutalmente João Alberto Silveira Freitas, após uma discussão entre ele e um funcionário da loja.

Leia também: Confiança do consumidor brasileiro cai pelo segundo mês consecutivo

A morte de Silveira Freitas gerou um debate nacional sobre raça no Brasil, que costuma se considerar destituído de racismo, apesar das enormes desigualdades entre as raças em quase todos os aspectos da vida.

A loja em Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul, foi invadida por manifestantes, assim como um local em São Paulo, enquanto as ações do Carrefour Brasil despencaram.

Além de pleitear indenização, a ação da Defensoria Pública do Estado pedia ao juízo o fechamento da loja em Porto Alegre “com o objetivo de reduzir o risco de possíveis atos hostis que possam ocorrer durante os protestos”.

Veja também: Brasil acaba com proibição de Boeing 737 MAX, aviões podem voar até o final do ano

Em nota, o Carrefour Brasil informou que ainda não foi citado formalmente pela defensoria pública, acrescentando que fornecerá as informações necessárias ao governo.

Entre as outras demandas elencadas na ação está a criação de um plano de combate ao racismo e ao tratamento discriminatório por parte do varejista em Porto Alegre.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters