Siga-nos!

Política

Bolsonaro diz que estava certo em questionar a vacina chinesa COVID-19

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro disse na quarta-feira que estava certo em criticar a credibilidade de uma vacina chinesa COVID-19 desenvolvida pela Sinovac Biotech, que apresentou resultados decepcionantes de eficácia em testes locais.

Bolsonaro diz que estava certo em questionar a vacina chinesa COVID-19

Foto: (reprodução/internet)

Bolsonaro x Sinovac

Leia também: Bharat Biotech da Índia fornecerá sua vacina COVID-19 ao Brasil

Na terça-feira, pesquisadores do estado de São Paulo anunciaram que a vacina chinesa foi 50,4% eficaz na prevenção de infecções sintomáticas em um ensaio local – apenas o suficiente para aprovação regulamentar e bem abaixo da taxa anunciada na semana passada.

Bolsonaro, um ex-capitão do exército de extrema direita, é um falcão chinês de longa data. Ele criticou repetidamente a vacina da Sinovac, que estava sendo testado em estágio final pelo Instituto Butantan de São Paulo, como não confiável. 

Fique por dentro: Novos dados do Brasil mostram eficácia decepcionante de 50,4% para CoronaVac

Ele disse anteriormente que seu governo não compraria a vacina chinesa, mas depois cedeu, visto que as críticas ao lançamento da vacina no Brasil aumentaram.

Falando a simpatizantes fora de sua residência, Bolsonaro fez pouco caso dos resultados do julgamento de Sinovac até agora, dizendo que ele havia sido injustamente caluniado por questionar o tiro.

“Esses 50% são bons, não é? Todas as (críticas) que recebi pelos meus comentários, e agora eles estão vendo a verdade. Quatro meses sendo criticado por causa da vacina”, disse ele.

Veja também: Brasil registra 60.899 novos casos de coronavírus, 1.274 novos óbitos por COVID-19

No entanto, Bolsonaro disse que não tinha nenhum papel no sinal verde para a injeção de Sinovac, pois cabia ao órgão regulador federal de saúde, Anvisa, decidir sobre sua aprovação para uso.

Na semana passada, o governo brasileiro fechou acordo com o Instituto Butantan para a compra de até 100 milhões de doses da vacina chinesa. O governo receberá 46 milhões de doses iniciais com outra opção de 54 milhões de doses posteriormente.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters