Siga-nos!

Mundo

Aumento de casos provoca luta por mais capacidade hospitalar

Publicado

em

Várias cidades que estavam desmontando hospitais de campanha usados ​​para receber pacientes COVID-19 no primeiro estágio da pandemia estão agora lutando por mais capacidade hospitalar.

Aumento de casos provoca luta por mais capacidade hospitalar

Foto: (reprodução/internet)

Luta pela capacidade hospitalar

Com quase 6,5 milhões de infecções e mais de 175.000 mortes, o Brasil tem o terceiro maior surto, depois dos Estados Unidos e da Índia, e o segundo maior número de mortes.

Veja também: Agricultores brasileiros de soja experimentam tecnologia 5G com equipamentos Huawei

O surto no país atingiu o pico no final de julho, com quase 70.000 novos casos e 1.595 mortes em um dia. À medida que os números diminuíam lentamente, parecia que o Brasil havia deixado o pior para trás, com apenas 20.000 novos casos e 425 mortes por dia no final de outubro.

À medida que as cidades e estados diminuíram as restrições, no entanto, a transmissão aumentou, com uma média de 34.700 casos e 520 mortes por dia na última semana.

“Houve um aumento de casos nas últimas três semanas”, disse o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, aos jornalistas nesta quinta-feira.

Fique por dentro: Jovens festeiros brasileiros despertam medo da segunda onda do COVID-19

Os adultos jovens têm sentido o maior impacto mental com o isolamento social prolongado, com 54% dizendo que estão deprimidos e 70% ansiosos ou muitas vezes nervosos, segundo pesquisa feita pela Fiocruz com universidades de Minas Gerais e de São Paulo.

“A população está muito cansada de manter hábitos de higiene, de usar máscara e ficar isolada”, disse a pesquisadora da Fiocruz Celia Landmann Szwarcwald.

“Quando as pessoas receberam o OK, elas se sentiram liberadas e se esqueceram de usar máscaras”, disse ela.

Leia também: Número de mortos no Brasil COVID-19 chega a 175.964

O Rio de Janeiro adiou para junho sua famosa festa de carnaval, mas isso não interrompeu os preparativos para as festas de fim de ano que atraem grandes multidões todos os anos. 

Os ingressos estão à venda para as festas no topo do icônico Pão de Açúcar da cidade.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters