Siga-nos!

Mundo

As moderadas celebrações do Ano Novo brasileiro encontraram-se com silêncio na ala COVID-19

Publicado

em

ANÚNCIO

Os brasileiros presenciaram em 2021 fogos de artifício sob medidas incomuns de distanciamento social, enquanto em uma unidade de terapia intensiva de um hospital fora de São Paulo, médicos que atendiam pacientes do COVID-19 mantiveram um minuto de silêncio pela passagem de um ano mortal.

As moderadas celebrações do Ano Novo brasileiro encontraram-se com silêncio na ala COVID-19

Fonte: (Reprodução/Internet)

ANÚNCIO

1 minuto de silêncio

A equipe médica ficava ao pé das camas com as pessoas conectadas a respiradores e, em seguida, desejava a seus pacientes um feliz ano novo através de protetores faciais e máscaras.

O som de fogos de artifício nas ruas do lado de fora quebrou a monotonia dos ventiladores zumbindo e monitores apitando.

Veja também: Brasil detecta dois casos de nova variante do coronavírus encontrada no Reino Unido

ANÚNCIO

Havia pouco o que comemorar com 195.000 brasileiros perdendo suas vidas no segundo surto de coronavírus mais letal do mundo, depois dos Estados Unidos, mas há esperança de que as vacinas cheguem no ano novo.

Na enfermaria de UTI do hospital de campanha erguido na cidade industrial de Santo André adjacente à maior metrópole do Brasil, os pacientes em respiradores receberam o Ano Novo sofrendo em silêncio e na esperança de um 2021 melhor.

“Estou triste por estar separado da minha família, mas espero voltar para casa saudável”, disse Vinicius Perreira, que foi hospitalizado há cinco dias com metade dos pulmões colapsados.

Fique por dentro: Brasil relata 15.827 novos casos de coronavírus, 314 mais mortes

“Espero que a vacina chegue finalmente em 2021 para lidar com esta doença e que todos tenhamos um ano melhor”, disse ele à Reuters.

Médicos e enfermeiras disseram que estavam exaustos com a batalha sem fim que travaram desde março para salvar vidas.

“O minuto de silêncio foi tão comovente para mim”, disse Wakiria Miranda, uma enfermeira de 19 anos, que disse que sentia falta de sua família, mas estava feliz por dar um pouco de amor aos pacientes isolados necessitados.

Leia também: Brasil detecta dois casos de nova variante do coronavírus encontrada no Reino Unido

“Que esta pandemia recue e as pessoas se tornem mais conscientes da necessidade de distanciamento social”, disse ela.

Apesar do cancelamento da maioria dos eventos de fim de ano devido à pandemia, os brasileiros festejaram com fogos de artifício principalmente de suas casas, embora centenas tenham aparecido em praias que costumam ficar lotadas na virada.

A famosa Praia de Copacabana, em forma de meia-lua, no Rio de Janeiro, onde 2 milhões de foliões assistiram a fogos de artifício lançados de barcaças offshore no ano passado, estava praticamente vazia na noite de quinta-feira, mas centenas de pessoas compareceram usando máscaras.

Veja também: Brasil vai importar 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca, ainda não aprovada para uso

As autoridades fecharam a Praia de Copacabana e o sistema de metrô da cidade mais cedo para evitar multidões enquanto o Rio de Janeiro enfrenta o pior ressurgimento do vírus no Brasil, embora isso não tenha impedido seus habitantes de embalar bares, restaurantes e praias.

Traduzido e adaptado por equipe O Verbo News
Fonte: Reuters

ANÚNCIO